“E-Patients” se envolvem com tratamento

26 Jul

Saiu no Estadão, no dia 06 de junho de 2011.

__

Eles se consideram equipados para fazer sugestões aos médicos ou a trocar de especialista quando o resultado não os agrada

O brasileiro Hugo Campos, de 44 anos, é um típico e-patient. Em 2006, ele descobriu ser portador de cardiomiopatia hipertrófica, doença congênita considerada a principal causa de morte súbita em pessoas com menos de 35 anos. Os dois primeiros cardiologistas que consultou recomendaram apenas que “parasse de se preocupar tanto”. “Após desmaiar duas vezes e ser internado, decidi assumir um papel mais ativo e busquei um médico com outra filosofia”, diz.

Quando surgiu, nos anos 1990, o termo e-patient representava aqueles que se informavam sobre suas doenças nos meios eletrônicos – o famoso “doutor Google”. Mas, segundo os defensores da medicina participativa, ser um e-patient hoje significa ser “equipado, envolvido, habilitado”.

Sem dúvida é o caso de Campos. Há cerca de 20 anos ele mora em São Francisco, nos Estados Unidos, onde lidera um grupo de pacientes com dispositivos cardíacos implantáveis, como desfibriladores e marca-passos. Para se manter informado sobre o tema, faz cursos e frequenta congressos e eventos médicos. “A maioria de nós tem opiniões sobre qual marca de carro é mais confiável, mas, se somos notificados de que precisamos de um marca-passo, joelho artificial ou outro tipo de prótese, deixamos a decisão nas mãos do médico.” Numa cultura em que não são raros os conflitos de interesses entre os doutores e a indústria, diz, é importante que os pacientes participem das decisões.

Foi por meio do contato virtual que Campos conheceu a paulistana* Caroline Naumann, de 23 anos, portadora de diabete tipo 1. Formada em Relações Públicas, ela decidiu usar as redes sociais não apenas como fonte de renda, mas também como fonte de informação sobre sua doença.

“Aprendi com outros pacientes a fazer a contagem de carboidratos e a usar diferentes exercícios para controlar a glicemia”, conta. O suporte online, diz ela, também foi fundamental na hora de decidir pelo implante de uma bomba de insulina.

“Há oito anos tentava um tratamento que não funcionava direito. Então disse à minha médica que queria testar a bomba.” A experiência foi bem-sucedida e Caroline agora defende a bomba para outros diabéticos.

Um nome conhecido no mundo virtual dos pacientes é Dave deBronkart – ou e-patient Dave. Tornou-se um militante do movimento Saúde 2.0 depois de descobrir, em 2007, um grave câncer nos rins. Os médicos lhe deram 24 semanas de vida. Hoje a doença está sob controle. “O tratamento que recebi não é o padrão. Muitos hospitais nem sequer contam que ele existe”, diz deBronkart. “Caí nas mãos dos médicos certos. Muitos não têm a mesma sorte.”

Os conhecimentos sobre saúde, continua, tornaram-se muito extensos e complexos. É impossível para o médico se manter atualizado sobre todos os assuntos. “Por isso, a principal bandeira da medicina participativa é “deixe o paciente ajudar no que puder”.”

À medida que os e-patients se tornam a regra no sistema de saúde, aumenta a dúvida: os médicos estão preparados para lidar com a nova realidade? “Isso requer uma mudança cultural, o que não é fácil”, analisa deBronkart.

* Eu sou Gaúcha, mas morava em São Paulo. Agora, estou em período sabático na Califórnia…

* Não recebi implante, mas sim, troquei meu tratamento e hoje uso a bomba de insulina.

Anúncios

14 Respostas to ““E-Patients” se envolvem com tratamento”

  1. Barbara Cury 26 de Julho de 2011 às 3:06 PM #

    Ahhhhhhhhhhhhhhh que lindaaaaa!!!! Eu fico muito feliz com essa mudança de atitude e seus cuidados com a saúde!!
    beijos

    • @canaumann 26 de Julho de 2011 às 8:10 PM #

      Estava na hora, né, amiga? E vocês tiveram papel importante nessa mudança, sabe disso! Obrigada, de novo e sempre! =]

  2. Hugo Campos 26 de Julho de 2011 às 3:59 PM #

    Parabéns, Carol. É muito legal ver o movimento da medicina participativa tomar impulso no Brasil. O sucesso dependerá principalmente da movimentação popular e do reconhecimento pelo brasileiro dos seus direitos como paciente. Isso exigirá uma certa mudança cultural, mas estamos no caminho certo.

    • @canaumann 26 de Julho de 2011 às 8:13 PM #

      Estamos no caminho, sim. E com tua ajuda e dicas, talvez a gente consiga até mais rápido! ;) Nos encontramos em breve!

  3. Gabriel 26 de Julho de 2011 às 9:37 PM #

    Fazer parte dessa mudança é algo maravilhoso que carregarei pro resto da minha vida! Parabéns pela consciência e empenho em querer mostrar para a sociedade o que podemos fazer de melhor e diferente…
    Beijo do gordo!

    • @canaumann 26 de Julho de 2011 às 10:30 PM #

      Você não faz parte, você é parte da mudança, Gordo! =]

  4. Leila 28 de Julho de 2011 às 12:18 PM #

    Olha só! Parabéns pela matéria e por ir atrás de se cuidar, hein?! Adorei!
    Bjooos

    • @canaumann 8 de Agosto de 2011 às 10:09 PM #

      Tinha que acontecer em algum momento, né? rs Obrigada, querida!

  5. RICARDO 12 de Outubro de 2011 às 5:15 PM #

    Então tu também ée gaúcha!
    Não deixe de postar em teu blog. Estamos sentido falta das tuas palavras inspiradoras.

    • @canaumann 2 de Novembro de 2011 às 2:30 AM #

      Ricardo, sou gaúcha sim. E bah, quanta saudade da terrinha!
      Assim que eu atualizar o blog (prometo que logo!) quero te ver por aqui! ;)

  6. Thaís Prado 19 de Outubro de 2011 às 1:02 AM #

    Gostei muito do blog! :) Parabéns, realmente…inspirador!

    • @canaumann 2 de Novembro de 2011 às 2:31 AM #

      Obrigada, Thaís! É uma honra poder dividir com vocês! ;)

  7. www.osdoisladosdamoeda.com.br 17 de Maio de 2012 às 5:02 PM #

    Boa Tarde, gostaria de deixar meu site a disposição de TODOS, pois fui diabético por 22 anos, corri serio risco de nao enxergar mais, realizei 4 anos de hemodialise., e hj vivo uma vida livre da INSULINA. Toda essa historia, e outras, estao em um livro que irei lançar dia 25 de junho, e pretendo que chegue a todos diabeticos do Brasil. http://www.osdoisladosdamoeda.com.br e estou a disposição para eventuais duvidas

    • Carol Naumann 11 de Agosto de 2012 às 1:44 PM #

      Que tal contar um pouco da tua história aqui no blog, Roni?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s