DESapego

16 Mar

“As abelhas, após construírem a colméia, abandonam-na. E não a deixam morta, em ruínas, mas viva e repleta de alimento. Todo mel que fabricaram além do que necessitavam é deixado sem preocupação com o destino que terá. Batem as asas para a próxima morada sem olhar para trás.”

Dizem que abelhas são o grande exemplo do desapego: em um ato raro, abandonam tudo o que levaram e dedicaram tempo para construir. Não dá para comparar com o fato de doar aquele casaco velho e aquela calça que não serve mais ou doar para aquele vizinho menos favorecido: as abelhas deixam o melhor que possuem, sem saber e se importar para quem. Mas afinal, o ato é generosidade? É consciente? Transformador? Será que sabem o que vem pela frente e, por isso, largam o passado com tanta facilidade? Dizem que se não abrirmos mão do velho, não haverá espaço para o novo – assim também funcionaria para os sentimentos: desapego das ilusões emocionais, dos rancores, das mágoas, de tudo que, de jeito ou outro, nos aprisiona e impede o novo. Acredito e tento praticar o desapego, mas não me incomoda carregar parte do passado comigo: quem perdoa e deixa tudo, na verdade, não se importa com nada!

Anúncios

6 Respostas to “DESapego”

  1. GABRIEL DE LA ROSA 17 de Março de 2011 às 10:00 AM #

    Acredito que devemos sempre renovar e reciclar nossas experiências e sentimentos! A melhoria de algo sempre deixa para trás o que não se aplica mais.

    Esteja sempre em nossos corações e não suma, pois é delicioso ter vc por perto!

    Beijo

    • @canaumann 17 de Março de 2011 às 11:17 AM #

      Não vou me desapegar de ti, fica tranquilo! =)

  2. Beto 21 de Março de 2011 às 2:43 PM #

    Que bonito.

    Eu tenho sérias dificuldades para me livrar do que não uso mais, materialmente falando. Vou praticar isso em sua homenagem! haha

    Agora, “semânticamente falando”, sou mais difícil ainda. Acho que por isso sou tão duro com as pessoas que não conseguem se livrar de seu passado. Por que tenho, provavelmente, mais dificuldade do que elas. E eu consigo.

    Mas ainda estou pensando no exemplo das abelhas…

    • @canaumann 3 de Abril de 2011 às 9:25 PM #

      Já diria Carpinejar: a irritação é um espelho. Você é igual àquela pessoa que mais enerva você…

  3. Leila 6 de Abril de 2011 às 11:27 PM #

    O desepego é uma verdadeira arte, isso sim. Tenho muito o que aprender com ela. Mas acho que conseguir desapegar não quer dizer, necessariamente, ser leviano e esquecer coisas importantes para sua defesa. É como aquela historinha do sapo que insiste em salvar o escorpião, sabe? http://sabedoriapopular.redeblogs.com.br/2007/05/31/o-mestre-e-o-escorpiao/

    • @canaumann 8 de Abril de 2011 às 5:40 PM #

      Não conhecia a história. Interessante, Leila! Acho que é bem por aí… Afinal, também, quem perdoa e deixa tudo, na verdade, não se importa com nada! Né?

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s