Está me ouvindo, Dr.?

20 Out

“rir é mesmo o melhor remédio, ainda mais quando se trata de curar um doente. Mágoas e tristezas têm relação direta com doenças, ao mesmo tempo em que o humor e a alegria estão diretamente ligados ao bem estar”. Eu já comentei sobre a melhora do sistema imunológico pelo riso aqui, mas hoje o foco é outro: quero falar do que senti ao participar de uma conversa com Wellington Nogueira, o fundador do programa “Doutores da Alegria” … Humor, compaixão, alegria e esperança. Porque é tão difícil para um médico demonstrar tais sentimentos?

A missão dos doutores da alegria é levar alegria a crianças hospitalizadas, seus pais e profissionais de saúde, através da arte do palhaço. Concordo com a “terapia do riso” proposta, mas para mim, ontem, a mensagem bateu mais forte: para tratar é preciso entender, e para entender, é preciso intimidade! Estamos falando da humanização dos médicos… Eu explico: como contar minha rotina, meus medos, minhas aflições e confiar nos conselhos de uma pessoa que não sabe meu nome, que me atende olhando para o relógio e chega querendo impor novas regras sem ao menos perguntar se eu concordo e entendo aquilo. Como compartilhar com uma pessoa que não se envolve? O médico não tem a missão só de prevenir a morte, mas também, de melhorar a qualidade de vida.

Como você pode exercer seu papel de entender e suprir minhas necessidades se mal me escuta? Sem uma boa conexão entre nós, sinto muito, Dr., mas você não conseguirá me ajudar!

Vamos conversar?

Anúncios

2 Respostas to “Está me ouvindo, Dr.?”

  1. Rudolf 26 de Outubro de 2010 às 6:57 PM #

    Concordo com a abordagem – devagar com a expecatativa. Todos os médicos são educados para aprender sobre medicina – todos os advogados sobre leis – todos os engenheiros sobre a engenharia.
    Existem pessoas acima do padrão que tem dons em outras áreas.
    O segredo em um grupo de excelência é termos pessoas com múltiplas aptidoes.
    O segredo do gestor é encontrar todos estes talentos múltiplos.

    Beijos da Alemanha, à minha caçulinha do coração,

    Papi

    • @canaumann 28 de Outubro de 2010 às 9:15 PM #

      Quando preciso desacelerar, você vem e freia. Quando é necessário sair do lugar, recebo teu empurrão. Obrigada pela companhia de sempre!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s